Manaus: estádio da copa pode gerar energia solar de sobra | Planeta Melhor

Planeta Melhor

Google:


1 usuário Online

Como eu posso ajudar?


Saiba como você pode ajudar!
Clique aqui

Enquete
Polls

O que você faz pelo meio ambiente?







Ver resultado
Loading ... Loading ...
Dicas úteis

Use Ecobags

A EcoBag está na moda e há modelos e cores para todos os gostos. As sacolas reutilizáveis são aliadas do meio ambiente, já que as sacolinhas descartáveis, aquelas usadas normalmente em mercados, liberam gás carbônico e metano na atmosfera.

Manaus: estádio da copa pode gerar energia solar de sobra

Os engenheiros responsáveis pela construção da Arena Amazônia, que vai abrigar os jogos da Copa de 2014 no Amazonas, estudam formas de uso da luz solar para produção de energia elétrica. As alternativas foram apresentadas no Fórum Estadual de Mudanças Climáticas, que realizou a primeira reunião do ano na última sexta-feira, 18 de março. O comitê responsável pelos projetos relacionados ao mundial pretende utilizar energia solar em outras obras, como centros de treinamento e estações do monotrilho, que poderá ser construído na cidade. O governo alemão está financiando os 100 mil euros para a realização dos estudos, que devem ser entregues em julho. Outros três estádios da copa também foram escolhidos para este programa de cooperação, entre eles o Mineirão, que já tem um projeto definido. A Arena Amazônia deverá consumir 6MW, durante o pico, e a previsão é que possa produzir 1MW. A intenção é que a energia produzida durante o dia seja vendida para a concessionária de eletricidade, para compensar o consumo noturno. A quantidade prevista é suficiente para abastecer entre 1,5 e 2 mil residências do entorno do estádio, que têm consumo médio entre 30 e 60 KW/ hora.

Inicialmente a intenção é aproveitar 40% da cobertura do estádio de Manaus para a instalação de painéis solares. Antes, é preciso superar as dificuldades técnicas. A estrutura foi projetada para suportar entre 0,4 e 0,9 quilos por metro quadrado e placas solares convencionais pesam entre 80 e 90 quilos por metro quadrado. Mudanças no projeto significam aumentos de custo e de material que poderiam inviabilizar a ideia. Outro problema é que o projeto original usa uma película translúcida. A instalação dos painéis solares comprometeria a passagem de luz e o efeito visual desejado pelos arquitetos.

Estes problemas podem ser resolvidos com a utilização de novas tecnologias solares e da distribuição estratégica das placas, preservando a beleza do projeto. Podem ser usados como suporte, por exemplo, os anéis que vão sustentar a iluminação do estádio ou trechos da estrutura metálica de sustentação. Ainda há outras duas possibilidades: utilizar o entorno da arena ou o pódio, praça que dá acesso ao estádio, onde as placas solares teriam o uso extra de fornecer sombra aos pedestres.

Fonte: Oeco

Voltar   


Realização: Base Software Apoio: ABADI