Alemães registram dia com recorde negativo de gelo marítimo no Ártico | Planeta Melhor

Planeta Melhor

Google:


1 usuário Online

Como eu posso ajudar?


Saiba como você pode ajudar!
Clique aqui

Enquete
Polls

O que você faz pelo meio ambiente?







Ver resultado
Loading ... Loading ...
Dicas úteis

Use Ecobags

A EcoBag está na moda e há modelos e cores para todos os gostos. As sacolas reutilizáveis são aliadas do meio ambiente, já que as sacolinhas descartáveis, aquelas usadas normalmente em mercados, liberam gás carbônico e metano na atmosfera.

Alemães registram dia com recorde negativo de gelo marítimo no Ártico

A quantidade de gelo disponível na região do Ártico – no norte da Terra – chegou a 4,24 milhões de quilômetros quadrados no dia 8 de setembro de 2011, atingindo um recorde mínimo segundo medições feitas pela Universidade de Bremen, na Alemanha.

 

A marca anterior havia sido registrado em 17 de setembro de 2007, quando o derretimento causado – explicado pelos cientistas como uma consequência da ação humana no aquecimento global – deixou a região com apenas 4,27 milhões de quilômetros quadrados de gelo.

 

Medições do nível de gelo no mar local são realizadas desde 1972. Desde aquele ano, o recuo do gelo marítimo no Ártico já atingiu 50%. O montante de gelo no extremo norte do globo normalmente varia entre 15 milhões de quilômetros quadrados em março e 5 milhões em setembro, todos os anos.

 

O derretimento do gelo marítimo não pode aumentar o nível dos oceanos, mas os pesquisadores alertam para os efeitos do aquecimento nas camadas localizadas na Groelândia – este sim com chance de elevar a altura dos mares em até 7 metros.

 

Para os especialistas, o problema não está somente no fato da marca mínima ter sido atingida, mas também na tendência para a redução do gelo no local – algo que já dura 32 anos.

 

Períodos de insolação elevados durante o mês de julho já eram tidos pelos cientistas como prováveis causas para a redução do gelo no futuro. Há quem defenda que o gelo marítimo no Ártico possa desaparecer por completo daqui a 30 anos, com graves consequências para a Terra, apesar de abrir a oportunidade de exploração de petróleo na área desocupada pelo gelo.

 

A navegação foi possível pelas rotas Noroeste e Nordeste durante o ano de 2011 por conta da ausência de gelo – a última pode virar rota comercial já que permite a conexão entre os oceanos Pacífico e Atlântico. O degelo já havia deixado as passagens livres duas vezes desde 2008.

 

A temperatura no Ártico subiu duas vezes mais rápido que a média global nos últimos 50 anos. O ano de 2010 empatou com 2005 como o ano mais quente da história, desde que institutos começaram a fazer medições. Ainda que a agência norte-americana ainda reconheça o ano de 2005 como recordista, as Nações Unidas atestaram o empate. (Fonte: Globo Natureza)

Voltar   


Realização: Base Software Apoio: ABADI